Faculdade de Desporto da Universidade do Porto

Experiência precoce

 

 

A Vinculação

 

Necessidade inata e básica do bebé para manter relações de proximidade e afectividade com as suas figuras preferenciais:

 

Os bebés devem ter várias figuras de vinculação:

 

- Informa a mãe do desejo de interacção de bebé;

- Comportamentos de vinculação: o sorriso, a vocalização, o agarrar, o gatinhar, e o choro

 

- Facilita a aprendizagem por observação;

- A estimulação é mais rica e variada;

- Uma relação de ansiedade pode ser compensada com uma outra relação mais segura.

 

 

O processo de vinculação permite a manutenção do nosso lado afectivo, está ligado à nossa atitude enquanto seres humanos. É este processo que nos caracteriza e nos faz ser quem somos.

 

 

 

 

Aqui temos um video de um rapaz russo que já tem dois recordes no livro do recorde do Guiness e já fez grandes descobertas na astrologia.  

 


Fases do processo de vinculação

 

Até aos 6 meses

 

Dos 6 meses aos 3 anos

Após os 3 anos

formam-se os processo de discriminação de figuras de vinculação. É importante a presença contínua de uma figura de vinculação (as separações devem ser breves)

as crianças não só manifestam preferência por determinadas figuras, como revelam medo, cautela ou, inclusive, rejeição clara por outras

a criança desenvolve uma vontade própria e compreende as acções do outro. O desenvolvimento da linguagem e da sua capacidade de pensar em função do tempo e do espaço aumenta as suas capacidades cognitivas e permite-lhe suportar o afastamento da figura de vinvulação (essencial para o desenvolvimento da autonomia)

  

Procurar no site

Contatos

Work-psychology Faculdade de Desporto da Universidade do Porto
Rua Dr. Plácido Costa,91
4200-450 Porto PORTUGAL
Tel: +351 225 074 700
Fax: +351 225 500 689
http://www.fade.up.pt

Se nos quiserem contactar, podem fazê-lo através dos endereços :

 

Miguel Barbosa

091101072@fade.up.pt

 

ou

 

Paulo Sousa     

091101062@fade.up.pt